Você está aqui:  Início  /   Cultura  /   CÂMARA FORMALIZA FINANCIAMENTO DE 125 MIL EUROS ÀS ASSOCIAÇÕES CULTURAIS

CÂMARA FORMALIZA FINANCIAMENTO DE 125 MIL EUROS ÀS ASSOCIAÇÕES CULTURAIS

sem

O Município de Santa Maria da Feira assina este sábado, 12 de março, às 10h00, no salão nobre da Câmara Municipal, os protocolos de parceria no âmbito do Programa de Apoio a Projetos Culturais (PAPC) 2016, cujo montante global ronda os 125 mil euros, mais 25% da dotação orçamental do ano anterior. No ato da assinatura, o presidente da Câmara, Emídio Sousa, entregará às associações 60% do valor do apoio concedido aos projetos aprovados. Em 2016, foram aprovados 26 projetos culturais de 19 associações culturais de todo o concelho, o que representa uma taxa de aprovação de 65,5% das associações candidatas e de 54% dos projetos aprovados. Para além do reforço da dotação orçamental do PAPC, visando o apoio ao desenvolvimento e à integração do tecido associativo na produção e oferta cultural do território, o Município de Santa Maria da Feira tem vindo a investir, desde 2014, em ações de formação gratuitas dirigidas aos agentes associativos concelhios, fomentando a sua capacitação. Este ano, e pela primeira vez, o Município criou um horário alargado, incluindo aos fins-de-semana, para apoiar as associações culturais nos processos de elaboração e submissão de candidaturas, disponibilizando ainda na internet o manual de apoio ao processo de candidaturas e simplificando os formulários de projeto e orçamento.

Destinado a associações sem fins lucrativos com sede e âmbito no concelho de Santa Maria da Feira, o PAPC assumiu como áreas prioritárias de intervenção, para 2016, projetos disciplinares e intermedia (dança, teatro, música e artes digitais) e projetos de salvaguarda e promoção do património imaterial (cultura popular / história local). O PAPC constitui-se como um instrumento de apoio à produção cultural associativa e à integração dos projetos culturais do tecido associativo local na oferta cultural municipal, numa lógica de descentralização das ações, do acesso aos bens culturais pelas comunidades e do incentivo a projetos que tenham por base a organização colaborativa, em redes ou através de parcerias. Com este programa o Município pretende auxiliar o desenvolvimento qualitativo da produção artística local, de base associativa, formando não só novos agentes culturais, mas também uma massa crítica informada e capaz, produtora e potencialmente consumidora de produtos culturais.