Você está aqui:  Início  /   Cultura  /   Mafalda Campos Leite: “O fado é um bichinho que tenho cá dentro”

Mafalda Campos Leite: “O fado é um bichinho que tenho cá dentro”

Mafalda Campos Leite, conhecida por dar voz à ‘Canção das Fogaceiras’ esteve nos estúdios da Sintonia Feirense na passada sexta-feira.

Mafalda Campos Leite não tem medo de sonhar e lembra, como diz o poema, que “o sonho comanda a vida”. A fadista luta, por isso, pelo sonho de chegar à final do Festival Fado ao Berço. Há outras ambições na mira. A pandemia colocou em suspenso a meta de gravar o seu primeiro álbum, mas a fadista destaca que, logo que seja possível, irá concretizar esse objetivo.

Esta é uma conversa que viaja pelos momentos mais marcantes da carreira da fadista de Santa Maria da Feira. Atualmente, Mafalda Campos Leite disputa um lugar na final do Festival Fado ao Berço. Para isso, precisa de votos. O último finalista a ser apurado será aquele que tiver mais ‘gostos’ no vídeo da página de Facebook Fado ao Berço. Mafalda Campos vai na frente no número de ‘gostos’ com a interpretação do tema ‘Com que Voz’.

Não tem medo de sonhar e lembra, como diz o poema, que “o sonho comanda a vida”. A fadista está a lutar por um sonho e afirma que, mesmo que não vença o festival, já ganhou noutros campos. No carinho, nas pessoas, na divulgação do seu trabalho (vídeo ascende às 18 mil e 800 visualizações no dia 17 de fevereiro e continua a crescer) e até nos convites para atuar, quando for possível, em diferentes palcos.

Mafalda Campos Leite divulgou ainda, em primeira mão, a ambição de gravar o seu primeiro álbum. “O objetivo de vida”, como lhe chama, ficou suspenso com a pandemia, mas Mafalda garante que, logo que seja possível, será concretizado. Lembra a importância dos discos, que permitem entregar em mãos o trabalho do artista e conservar um registo que “fica para a história”.

A pandemia também a afastou dos palcos. O palco, diz, é o que lhe dá vida e a fascina. E o fado, reforça, “é um bichinho” que tem lá dentro e que, a cada dia que passa, se vai “matizando cada vez mais”.

Pode ouvir a entrevista na íntegra aqui.