Você está aqui:  Início  /   Desporto  /   Sintonia de Ataque: “A paragem deste fim de semana foi um absurdo”

Sintonia de Ataque: “A paragem deste fim de semana foi um absurdo”

Tiago Leite, técnico da Ovarense, foi o convidado especial do programa Sintonia de Ataque – formato Divisão de Elite. Foto de Arquivo

No primeiro Sintonia de Ataque – formato Divisão de Elite – do ano de 2021, as atenções centraram-se na paragem das competições distritais deste fim de semana. Para o técnico da Ovarense, Tiago Leite, custa aceitar a decisão, apontando que apenas “Aveiro e Évora pararam” no fim de semana passado.

“Treinamos sem saber quando vamos competir. Os clubes sem competição e sem receitas também ficam com muitas dificuldades para poder pagar os salários e andamos todos um bocadinho à deriva”, entende o técnico vareiro. “Custa-me que a Associação de Futebol de Aveiro não respeite os clubes e, acima de tudo, que não perceba que assim os clubes vão ao charco”, sublinhou o convidado especial do programa Sintonia de Ataque.

Os habituais craques de microfone também debateram a paragem das competições sob a alçada da Associação de Futebol de Aveiro no passado fim de semana e o timing da decisão, que foi comunicada na tarde da passada sexta-feira.

Carlos Alexandre entende que se o campeonato continuar com arranques e paragens, é preferível “parar de vez”. “Fisicamente e psicologicamente as equipas não aguentam isto”, defendeu o comentador.

Carlos Silva tira ilações de mais uma paragem na Divisão de Elite e aponta que o mais provável é que a temporada 2020/2021 não chegue ao fim. “No ano passado a competição não terminou e esta leva o mesmo caminho. Não acredito que vá haver condições para isto começar”, considerou. “No meio disto tudo, só há um perdedor, que é futebol”, afirmou ainda Carlos Silva, considerando que se está a criar “uma situação de insatisfação” e que “a culpa do que se está a passar é da Associação de Futebol de Aveiro”.

Dinis Resende olha para o futebol de formação e volta a afirmar que “está ferido de morte” e que haverão consequências sérias. “Há gerações de miúdos que não vão atingir o profissionalismo com um determinado nível que se exigia”, afirmou, considerando que a “paragem deste fim de semana “foi um absurdo”.

Pode ouvir o programa, moderado por Filipe Dias, aqui.